Escolha uma Página

O INSS noticiou na última quarta-feira dia 19 de junho de 2019, que anunciou naquela data durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto, os primeiros resultados do projeto de Transformação Digital no Instituto.

De acordo com a nota, vários serviços agora já podem ser feitos pelo Meu INSS (site e aplicativo para celulares) ou telefone 135. Foi destacado ainda que até julho de 2019, todos os 90 serviços também poderão ser realizados pelo segurado através da internet. Os novos serviços disponíveis digitalmente representa uma média mensal de 670 mil atendimentos presenciais que agora poderão ser feitos pela internet e telefone.

A concessão automática de benefícios também já é uma realidade no INSS: 80% dos pedidos de aposentadorias por tempo de contribuição, por exemplo, são feitos pelo Meu INSS, automaticamente, possibilitando resposta ao segurado em até 24h”, afirmou o presidente do INSS, Renato Vieira.

Além disso, a nota ainda ressalta que desde o mês de abril, a quantidade de benefícios analisados foi superior à de requerimentos realizados. Foi citado ainda que em maio os serviços de recurso, revisão e cópia de processos passaram a ser feitos pelo Meu INSS. E depois foi a vez dos 23 serviços de manutenção (mudar de agência, cadastrar procuração, solicitar pagamento não recebido).

E agora, desde o último dia 19 de junho de 2019, outros 19 serviços também passaram a ser feitos a distância (aposentadorias, pensões e Certidão de Tempo de Contribuição). Outra novidade divulgada também na nota foi o lançamento da Calculadora da Aposentadoria por Idade que calcula quanto tempo falta para se aposentar, simula a renda inicial, e mostra se o segurado tem realmente direito ao benefício.

Para finalizar foi explicado que até o fim de julho, 90 dos 96 serviços do INSS estarão disponíveis pelo Meu INSS, que somente os serviços presenciais a perícia médica, avaliação social, vista ou carga de processos, realização de prova de vida, devolução de documentos e outros cumprimentos de exigências serão presenciais.

Fonte: Ministério da Economia INSS